terça-feira, 31 de maio de 2011

Rádio e TV: uma comunitária a cada três emissoras, diz governo


Lista divulgada pelo ministério das Comunicações revela que redes comunitárias de rádio e TV estão presentes em todos os estados brasileiros e representam um terço das 14 mil emissoras em operação. Para combater 'laranjal' na radiodifusão, ministério abre o nome dos sócios das emissoras e prepara mudanças nas próximas disputas por outorgas. Minas Gerais é o estado com o maior número de redes comunitárias (691), seguido por São Paulo (551) e Rio Grande do Sul (362). Na rabeira, estão Acre (5), Roraima (6) e Amapá (16).

BRASÍLIA – As rádios e TVs comunitárias alcançam hoje todos os estados brasileiros e representam um terço da radiodifusão. O país tem 14.154 emissoras em operação, das quais 9.682 são comerciais, 4.242 são comunitárias e 230, educativas.

Os números fazem parte de um banco de dados sobre outorgas de rádios e TVs que o ministério das Comunicações divulgou nesta segunda-feira (30/05). A lista traz nome e sobrenome de cada um dos sócios e dirigentes das emissoras.

Minas Gerais é o estado com o maior número de redes comunitárias (691), seguido por São Paulo (551) e Rio Grande do Sul (362). Na rabeira, estão Acre (5), Roraima (6) e Amapá (16). O Acre, aliás, é o único estado que não possui emissora educativa.

As posições entre São Paulo e Minas se invertem, no caso das emissoras comerciais: 1.595 no primeiro e 1.303, no segundo. O Rio Grande do Sul também fica em terceiro lugar (935). Na outra ponta, estão Amapá (37), Roraima (42) e a capital do país, o Distrito Federal (46).

A lista de outorgas está disponível na página eletrônica do ministério das Comunicações. Sua divulgação tinha sido anunciada pelo ministro Paulo Bernado há cerca de um mês, durante reunião dele com a Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular.

Na ocasião, Bernardo dissera que o objetivo era contar com a ajuda da população para identificar “laranjas” por trás das concessões. O ministério espera que as pessoas vejam a lista e informem o governo sobre sócios suspeitos que porventura elas conheçam.

Também para combater o “laranjal" na radiodifusão, o ministério mudará as regras das licitações. Vai exigir que os interessados apresentem parecer de auditoria independente comprovando que têm capacidade financeira para tocar uma emissora. Que provem que há distribuição de lucros entre os sócios. Que depositem caução de 20% no ato da inscrição, e não de 1%, como é hoje. E que paguem pela concessão até a assinatura dela, e não mais em até 12 meses, também como ocorre hoje.

“Nós adotaremos estes critérios já nas próximas licitações”, disse Paulo Bernardo. “Hoje, há cerca de 300 processos no ministério que nós vamos cancelar para reabrir com as novas exigências. O que já chegou ao Congresso, aí será uma decisão dos parlamentares.”

Administração municipal prejudica quem quer trabalhar



   Depois de complicar a vida dos trabalhadores ambulantes do centro da cidade e dos servidores municipais não dando o devido aumento de salários, a prefeitura agora ataca as periferias de forma mais direta.
Agentes da fiscalização, insatisfeitos com os salários e com a falta de atenção por parte da administração encontraram na “produtividade” uma forma para complementar seus rendimentos, dando multas e lacrando estabelecimentos comerciais.
No distrito de Sumaré, três estabelecimentos foram lacrados. ”Eles escolheram”, disse o comerciante. Agiram de forma seletiva, baseados na famigerada lei seca que proíbe o funcionamento de bares e lanchonetes num raio de 200 metros no entorno de escolas.
O problema é que quem fez essa lei estava pensando na sede do município e não nos distritos. Em localidades menores como Sumaré, Graciosa, Piracema, Dep. José Afonso e Mandiocaba, duzentos metros, onde a escola fica na praça da igreja, significa proibir a existência de bares e lanchonetes no centro do bairro que é muito pequeno.
O Paulinho da Lanchonete Ravena e o Júlio Bezerra da lanchonete Esquinão, ambos do Sumaré foram a Câmara pedir uma solução da parte dos vereadores para a questão. Auxiliados pelo Professor Ailson conseguiram uma verdadeira conferência na recepção da Câmara com a participação da maioria dos vereadores e a garantia de empenho dada pelo Presidente da Casa, o Vereador Nivaldo Mazzin.
Os comerciantes propõem a redução deste raio para 100 metros e que seja respeitado o direito adquirido dos estabelecimentos que funcionam desde antes da criação da lei seca.
Esta lei foi criada “para combater a violência”. Qual a finalidade dela em localidades onde o índice de criminalidade é praticamente zero?

sexta-feira, 27 de maio de 2011

PSOL NA TV

Com o lema "Psol um partido necessário", foi ao ar ontem no horário nobre da tv o programa gratuito do psol.
O programa priorizou os principais fatos ou problemas políticos do País no momento. Com suas principais lideranças na tela o Psol apresentou sua posição sobre, Racismo , Homofobia, Meio Ambiente e os escandalos que envolvem corrupção. 
A bancada mais coerente do congresso não tem deixado passar em branco os temas mais polêmicos, os Deputados e Senadores do Psol tem feito a diferença.

BETO RICHA:URGENTE!

Acaba de chegar a Paranavaí a comitiva do governador Beto Richa.
Entre os políticos locais ligados ao governador tem muita gente colocando a barba de molho, como diz  a galéra, "cortando um prégo" se perguntando se vai haver uma faixa contra o governador.
Como seria? 
"Procura-se um governador para o Paraná: urgente!"?

FOLGA NO BOLSO

Com a implantaçao do sistema binário vários agentes do estar foram deslocados para orientar o trânsito nas ruas onde ouveram as mudanças, e por isso várias ruas do centro encontraram-se descobertas pelo sistema de cobrança.
Dando assim uma folguinha no bolso do pessoal que vai ao centro da cidade de carro.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

FESTA JUNINA NA ESCOLA DÁCIA FORTES

ESCOLA DÁCIA E A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES PROMOVERÃO UMA GRANDE FESTA JUNINA NO PRÓXIMO DIA 11 DE JUNHO.
A PROGRAMAÇÃO ESTÁ EM CONSTRUÇÃO E JÁ CONTA COM DANÇAS TÍPICAS, GASTRONOMÍA, DESAFIO DE HIP ROÇA, BANDA GOSPEL E  O GRUPO É NOIS.
A ENTRADA É GRATUITA E TODA A COMUNIDADE ESTÁ CONVIDADA.

Vai encarar ?

Professor Ivan Bernardo não aceitou acordo com Lorenzetti e vai encarar a briga.
Agora se o Rogério quiser vai ter que provar que há crime na atitude de exposição da faixa no estádio e terá que ter peito para enfrentar esse processo, administrar a cidade, segurar o Lauro Machado no PMDB, responder aos vários inquéritos da promotoria, conquistar o eleitorado e vencer as eleições de 2012.


"Como somos utópicos, nós achamos que dá.!!"

quarta-feira, 25 de maio de 2011

MANIFESTO EM APOIO AO PROFESSOR IVAN BERNARDO: “Procura-se um prefeito para Paranavaí: urgente!”


Nesta quarta-feira dia 25 de maio às 13: horas, o professor do Colégio Estadual Silvio Vidal, Ivan Bernardo, comparecerá ao Fórum de Paranavaí para uma audiência preliminar sobre o caso da faixa exposta no estádio Waldomiro Wagner no dia 09 de março de 2011, no jogo do ACP x Coritiba. Também para esclarecer sobre a entrevista que o professor concedeu a um blog, denunciando as mazelas de nosso município e o descaso dos governantes com o povo de Paranavaí.
       O “prefeito” de Paranavaí Rogério Lorenzetti acusa o professor Ivan Bernardo de ter manchado o seu nome em rede nacional e internacional, e está entrando com uma ação por injúria e difamação.
       Nós do movimento popular, estamos saindo em defesa da liberdade de expressão do povo e do professor, que com coragem de poucos, denunciou, através de um protesto legítimo, os problemas de nosso município e o descaso de nossas instituições representativas com Paranavaí.
       A população de Paranavaí em sua maioria manifestou-se dando apoio à atitude de várias formas: pela internet, pelas rádios da cidade, pelos jornais e em conversas pelas calçadas de Paranavaí. Não omitiram seu apoio ao professor, que manifestou publicamente a insatisfação da maioria da população de Paranavaí com as gestões dos últimos governos, inclusive o de Lorenzetti.
         O “prefeito” acusa o professor de “denegrir” a imagem de Paranavaí. Como se a atual situação da Saúde, do salário dos servidores, as ruas esburacadas e os lixões a céu aberto enfeitassem nossa Paranavaí!  Mas acusar alguém de cometer crimes só porque fez um protesto pacífico dando sua opinião sobre uma gestão pública, isso sim é ferir a democracia e a liberdade de expressão.
A nossa constituição prevê a liberdade de expressão. A faixa que diz “procura-se um prefeito para Paranavaí: urgente!” diz claramente que não nos sentimos representados. Isso é exercer a democracia e a cidadania.
       Não somos cidadãos democráticos só em época de eleição, mas também quando opinamos sobre nossos governantes e quando lutamos para transformar nossa realidade.
       O que o “prefeito” Lorenzetti está tentando fazer é intimidar qualquer manifestação contra a sua gestão. Nós somos contra o autoritarismo. Nosso povo lutou contra a ditadura no Brasil por décadas. Lutamos hoje contra a ditadura disfarçada de democracia e lutaremos eternamente contra qualquer tipo de autoritarismo e atitudes que ferem nossa constituição, a liberdade de todos se manifestarem.
Por isso chamamos o povo de Paranavaí a comparecer em frente ao fórum e manifestar apoio ao professor Ivan Bernardo no dia 25 de maio, quarta feira às 13 horas.


segunda-feira, 23 de maio de 2011

300 familias colocadas na rua no Espirito Santo

video

É do PSTU : Professora que calou as autoridades brasileiras falando sobre educação é miliante do PSTU


Em entrevista ao Portal, a professora e militante do PSTU, Amanda Gurgel, que calou deputados no Rio Grande do Norte em discurso durante audiência pública, falou sobre a repercussão nacional de seu vídeo e o cenário caótico da educação no estado e no Brasil.
Portal O vídeo em que você denuncia a situação precária da educação pública já superou as 100 mil visualizações no YouTube e chegou à lista brasileira dos Trending Topics, no Twitter. Como você vê toda essa repercussão?

Amanda Gurgel Em primeiro lugar, é importante falar sobre a minha surpresa diante de tamanha repercussão daquelas palavras que não são só minhas, mas de toda uma categoria, não só aqui no Rio Grande do Norte, mas em todo o Brasil, como se comprova nos diversos comentários postados sobre o vídeo. Também não imaginei que as pessoas que não vivem o nosso cotidiano não conhecessem à rotina de um professor e do funcionamento de uma escola pública. Então, diante de informações tão reais, acredito que a repercussão do vídeo se deve ao fato de minha fala ter sido dirigida à Secretária de Educação, Betânia Ramalho, à promotora da educação e aos deputados, figuras que ocupam postos elevados na sociedade, a quem as pessoas geralmente não costumam se reportar, tanto por não terem oportunidade quanto por se sentirem coagidas, ou por se sentirem inferiores. Enfim, talvez pela combinação desses dois fatores: tanto pela expressão de um sentimento contido, comum a todos nós, quanto pela atitude diante de deputados.

Portal O vídeo foi gravado durante uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Qual era a razão da audiência? Qual o objetivo daquele debate? 
 
Amanda Gurgel Era uma audiência pública com o tema “O cenário da educação no RN”. O objetivo era debater as questões da educação no estado, apontando alternativas para os seus problemas. A princípio, não se pretendia discutir a greve dos professores e funcionários, mas diante da nossa presença essa intenção foi rechaçada.

Portal – Como você avalia a situação da educação pública hoje no Rio Grande do Norte e no Brasil?
 
Amanda Gurgel Não existe uma palavra que melhor defina a educação aqui no estado e no Brasil do que caos. Um caos generalizado que começa na nossa formação e vai desde a estrutura precária das escolas, passando pelo caráter burocrático que ganharam as funções de coordenação pedagógica e direção, a superlotação das salas de aula, a demanda não suprida de professores chegando, finalmente, à remuneração do trabalhador que constitui a representação material do valor que é dado a nossa profissão. Mas, obviamente, todo esse caos não acontece por acaso. Há uma clara intenção da burguesia em manter a classe trabalhadora excluída dos processos que propiciem o desenvolvimento intelectual. Com isso, ela alcança dois objetivos: garante que os trabalhadores não atinjam altos níveis de cultura e pensamento crítico, conseguindo, no máximo, serem alfabetizados e aprenderem um ofício; dividir a classe trabalhadora, colocando-a em lados aparentemente opostos, como é o caso, muitas vezes, da relação entre professores e alunos ou as suas mães e os seus pais. É comum as pessoas acreditarem que greves prejudicam os alunos, quando é justamente o contrário: somente nas greves temos a oportunidade de abrir para a sociedade, os problemas que nós nos acostumamos a administrar no nosso cotidiano e que nos impedem de realizar o nosso trabalho. Somente nas greves podemos obter conquistas para a educação, pois, ainda que muitos já tenham sido envolvidos pelo discurso de que há outros mecanismos de luta que não a mobilização das massas, não é possível encontrar um caso em que nossos direitos tenham sido conquistados de outra forma. Os discursos de aparente conciliação servem apenas para mascarar ainda mais o fato de que a educação nunca foi prioridade para nenhum governo. Se não fosse assim, Dilma não teria cortado R$ 3 bilhões da educação nos primeiros dias do seu governo. Então, é necessário, em cada lugar do Brasil, transformar nossa angústia em ação. Não podemos baixar as cabeças atendendo às expectativas da burguesia. Precisamos mostrar a nossa consciência de classe e a nossa capacidade de organização.



Portal – A greve da educação no Rio Grande do Norte já atingiu mais de 90% das escolas, chegando até a 100% em regiões do interior. Na sua opinião, quais são as perspectivas da paralisação?
 
Amanda Gurgel Já contamos pouco mais de vinte dias de greve e a governadora Rosalba Ciarlini ainda não acenou com nenhuma proposta, tampouco uma que contemplasse as nossas reivindicações. Diante disso, a categoria tem reagido da melhor forma possível: lutando. A cada assembleia, recebemos informes de adesão das cidades do interior. Certamente, Rosalba e Betânia (secretária de educação) preparam alguma retaliação, mas estão enganadas se pensam que estamos para brincadeira. Não retornaremos às escolas sem o cumprimento do Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos funcionários, a revisão do Plano dos professores, a aplicação da tabela salarial dos servidores e o pagamento de direitos atrasados. A arrecadação do Estado aumentou consideravelmente. Segundo o Dieese, só no primeiro trimestre desse ano, foram R$ 776 milhões de ICMS, o que representa R$ 110 milhões a mais do que no mesmo período do ano anterior. Além disso, de janeiro a abril, o Estado recebeu R$ 214 milhões de FUNDEB, cerca de 54 milhões a mais do que no ano anterior. Portanto, o momento não é para choradeira. O momento é para apresentação de propostas e negociação.

Portal – Você é militante do PSTU. Como aconteceu essa aproximação com o partido?
Amanda Gurgel Fui ativista do movimento estudantil e dirigente do Centro Acadêmico de Letras e do DCE da UFRN. Nessa época, tinha uma relação próxima com o PT, mas ao ingressar na categoria dos trabalhadores em educação, toda a imagem de movimento sindical que eu construíra ao longo da minha vida foi sumariamente desconstruída quando constatei a forma como a direção do PT/PCdoB dirigia a nossa entidade e utilizava a categoria como moeda de troca para benefícios próprios. Na segunda assembléia de que participei, já era oposição convicta. Mas, como havia outras oposições, aos poucos fui me localizando. Participei do congresso de fundação da Conlutas, passei a construir a oposição e algum tempo depois fiz uma reflexão e já não conseguia entender como eu podia ver que militantes tão obstinados dedicassem suas vidas à verdadeira defesa da classe trabalhadora, à defesa da classe a que pertenço, enquanto eu apenas trabalhava, trabalhava e cuidava da minha vida. Entendi que era minha obrigação dividir com eles, meus e minhas camaradas, essa tarefa. Por isso, eu entrei no PSTU.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Massacre étnico


Há exatos três anos o Fórum Estadual da Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes)aproveitava o 13 de Maio, Dia da Abolição da Escravatura no Brasil, para marchar pelas ruas de Vitória e mostrar à população a indignação do movimento frente ao extermínio de jovens negros no Estado. Na sexta-feira, 13, os militantes da Fejunes, com o apoio de outros organizações da sociedade civil, promoveram ato público na praça Costa Pereira, em Vitória, em protesto à “Falsa Abolição da Escravatura”.
“A data não tem nada a ser comemorado pelo povo negro. O 13 de maio simboliza para nós o dia da denúncia contra o racismo. Esse racismo perverso que impede que a juventude negra tenha acesso aos seus direitos. Isso contribui para essa situação de extermínio que vivemos hoje no Espírito Santo”, afirmou Luiz Inácio Silva Rocha, o Lula, um dos coordenadores do Fejunes.
Lula comentou os dados do Mapa da Violência 2011, que foram publicados no início desta semana. De acordo com o estudo do Instituto Sangari, o Espírito Santo detém a segunda maior taxa de homicídios entre os jovens com idade entre 15 e 24 anos no Brasil, ficando atrás apenas de Alagoas. Para se ter uma ideia da gravidade da violência no Estado, segundo a pesquisa, somente nos municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória, em 2008, a taxa de homicídios entre os jovens (brancos e negros) atingiu a alarmante marca de 189 assassinatos para cada grupo de 100 mil habitantes.
A pesquisa, que avalia o período de 1998 a 2008, coloca Vitória como a terceira capital mais violenta do País, com 181,9 homicídios/100 mil. Entre os municípios com 10 mil jovens ou mais, Serra aparece como o segundo mais violento do País. As chances de um jovens morrer na Serra é de 245 por 100 mil. Em El Salvador, que é apontado pela pesquisa como o país que mais “mata” jovens no mundo, a taxa de homicídio ficou, em 2006, em 105/100 mil, ou seja, menos do que dobro da Serra. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera taxas acima de 10/100 mil como violência epidêmica.
Para Lula, a violência contra o jovem no Espírito Santo, sobretudo negro e pobre, está relacionada à falta de direitos dos negros. “Enquanto os direitos continuarem sendo negado aos negros teremos esses números absurdos”, protestou.
A pesquisa do Instituto Sangari confirma a indignação do militante, no comparativo de 2008, a taxa de homicídios que vitimou jovens brancos no Estado foi de 27,6/100 mil habitantes, contra 136,5 de negros, ou seja, se matou cinco vezes mais negros do que brancos.
“O jovem negro, pobre e morador das periferias faz parte do grupo mais vulnerável. Costumo dizer que os jovens negros que não entram para essas tristes estatísticas podem se considerar sobreviventes desse extermínio”. O militante da Fejunes diz ainda que há uma segregação muito forte no Espírito Santo. “Parece que há dois estados, o Espírito Santo que pertence às elites e outro abandonado, onde estão os negros. O governo fala muito em desenvolvimento econômico, em potencial de crescimento, mas os negros ainda não foram incluídos neste Espírito Santo”.
Lula apontou que o caminho da inclusão começa pela promoção de políticas públicas que verdadeiramente sejam capazes de assegurar o acesso da população negra. Ele lembrou que, nesse sentido, o ex-governador Paulo Hartung jogou contra os negros. “A 8594/2007, que institui as políticas públicas para a juventude, foi vetada pelo então governador Paulo Hartung. À época, a Assembleia chegou a derrubar o veto”, recorda. A proposta do deputado Cláudio Vereza (PT) prevê também a criação do Conselho da Juventude, que até hoje permanece no papel.
O coordenador da Fejunes, que é também secretário executivo do Conselho Estadual de Direitos Humanos, ressalta que o diálogo com o governador Renato Casagrande ainda não avançou. “Em março solicitamos uma audiência com o novo governador, mas até hoje ele não nos deu retorno. Estamos aguardando”.

Racismo institucional também é crime, denuncie.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Resposta do Prof Ailson do PSOL ao blog do Valmir



???????!


Pô Valmir eu pensei que você fosse formado em História!
Nossa disciplina é crítica e política. Quem permanece estacionado no centro é porque está trabalhando,  esses ganham muito mal para pagarem mais de 100,00 reais por mês para deixarem suas motos na rua, sem segurança ou seguro.
Se defender trabalhador é ser anti socialista eu não sou socialista.


Perguntar não ofende. Quem esta bem cotado para ser o novo chefe de gabinete do prefeito?

Bateram o martelo: as motos vão pagar

Na sessão desta segunda feira (16) os vereadores de Paranavaí aprovaram por placar de 5 votos a 4 a nova lei do Estar. Esta nas mãos do prefeito e de sua equipe instituir a cobrança de estacionamento das motos no Centro de Paranavaí. A sessão foi nervosa, teve troca de acusações entre o presidente Nivaldo Mazzin e o vereador Josias Zarelli que foi aplaudido pelo público presente quando justificava seu voto contrário.


Segue fotos da sessão:
 Psol e Pstu não deixaram o momento passar em Branco 

 Professor Alcione do Psol  com vereador Pó Royal e moradores antes da sessão.


 Prof. Utrila e Odair Xavier votaram contra o projeto.

 PSTU e PSOL EM ATO CONTRA O PROJETO


 TV Imagem registrando o ato
 O público se fez presente
 Motociclistas estacionaram na porta da câmara
 Ato durante a sessão deixou o clíma tenso.


3º Votação da LEI DO ESTAR É HOJE

EM UMA AÇÃO INCONSTITUCIONAL VEREADORES FAZEM HOJE ÚLTIMA VOTAÇÃO PARA TENTAREM INSTITUIR NOVA LEI DO ESTAR E COBRAREM ESTACIONAMENTO DAS MOTOS QUE FOREM AO CENTRO DE PARANAVAÍ.
" MAIS UMA FACADA NAS COSTAS DO POVÃO"

PERGUNTAR NÃO OFENDE.
E SE UMA MOTO FOR ROUBADA?
QUEM PAGA?

Bocas de fumo dominam toda a cidade de Paranavaí


 

È triste, lamentável, assustador, mas é real, o que era somente um problema nas periferias hoje está presente em todos os pontos do território paranavaiense.
No centro da cidade usuários de crack se arrastam para a morte enquanto na frente das autoridades as bocas de fumo movimentam suas economia satânicas livres de impostos e infortúnios.
Nas periferias já não há mais espaços para a concorrência e como numa ação imperialista os traficantes vão pra guerra defendendo seus espaços na bala.
Enquanto isso no campo o "menino da porteira" esta morrendo de over dose: bóias-frias anestesiam a dor do "batidão" com uma cachimbada bem diferente daquelas da vovó.
E o mais incrível, todas as autoridades pegaram a síndrome D'lula e ninguém quer ver nada!

Honrrado

 É assim que se sente o paranavaiense que gosta das coisas certas: honrrado!
Quando tantas autoridades falham no cumprimento de seus deveres, vemos um luz no fim do tunel.
Eu poderia dizer: Parabens!Mas ele só esta cumprindo seu dever. Um muito obrigado nunca é de mais, ainda que ele esteja apenas cumprindo o seu dever. Obrogado e continue assim Dr. Vilmar
UM PROMOTOR.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Agradecimento ao padrinho

 O SALVADOR DA  PÁTRIA (OSP)vem agradecer ao vereador " Sr. Crítica Pela Crítica", pelo maravilhoso nome que ele colocou em nosso blog.
Agradecidos pela inspiração!

Esquerda Unida


Por uma Paranavaí socialista 
            Nós do PSTU defendemos junto com os companheiros do PSOL que não haja nenhum tipo de taxação nas ruas de Paranavaí, nem para carros, nem para motos, pois as ruas são públicas.
            Nós socialistas defendemos a liberdade de ir e vir, sem pedágios ou taxas. Defendemos estacionamentos públicos gratuitos. Que a prefeitura obrigue as grandes empresas e os bancos da cidade construir estacionamentos para seus clientes e funcionários.
            O PSTU e o PSOL apresentam várias propostas para solucionarem o problema do trânsito em Paranavaí:
  • Que o prefeito e a câmara de vereadores agilizem urgentemente a aplicação do sistema binário. Mesmo Paranavaí sendo uma cidade de porte médio o trânsito é caótico, prova da falta de planejamento do poder público.
  • Que a prefeitura aumente os impostos dos terrenos e prédios que estão à serviço da especulação imobiliária promovidas pelos ricos acomodados. Essa seria a forma correta de arrecadação, e não a super exploração dos trabalhadores.
  • Que o prefeito e vereadores façam desses terrenos e prédios benefícios para a população de Paranavaí construindo estacionamentos que são necessários para resolver a questão do trânsito com vagas gratuitas para todos.
            O PSTU apresentou nas eleições de 2004 essas propostas.
            O PSOL também as apresentou na campanha de 2008!
            Os governos municipais atuais e os anteriores preferem as taxações no trânsito, atacando os trabalhadores e não punindo os ricos especuladores imobiliários que são os maiores causadores dessa desorganização histórica da área urbana de Paranavaí.

CHEGA DE MAIS IMPOSTOS E TAXAÇÕES!


O blog do povo:
 que é o verdadeiro salvador da pátria.!!!